Archive for Junho 2010

O Eduardo


.


Foi O jogador português deste Mundial. E se não perderam por muitos mais e a baliza portuguesa estava imaculada (até ontem) a ele o devem.

Pois podia


.

Podia pedir muita coisa mas, neste momento, só imploro por paciência e um bocadinho menos de esponteneidade! É que os meus limites estão quase a ser ultrapassados e, se isso acontecer, sou eu que me tramo com F maiúsculo!

É mesmo isso...


.

Era isto que eu queria dizer...!

Chumbei no teste!

Dilemas #4


.

Pessoas que dizem que não gostam de ler.

Epá...

Quero cá saber...


.

Este ano ando tão apática que me estou pouco a borrifar para se o Verão começou esta semana ou se a Selecção ganhou por sete à Coreia do Norte...

Lição do dia


.

"Podes fugir mas não te podes esconder."

Bem feito!


.

É possível sentir-se uma falta tremenda de determinada pessoa, não é?

Aquele sentir falta que aperta o coração de tal forma que nos põe mais pequeninos que um grão de areia. Aquela falta que, por mais anos que passem, nunca vai sanar, nunca mais poderá ser esquecida. E, como já passou tanto tempo, nada, nunca mais, poderia vir a ser como era.

E o que fazer com a consciência quando, em parte, os culpados até fomos nós e quando tivemos a faca e o queijo na mão? Torna-se ainda mais penoso... E o diabinho da consciência diz "Bem feito!"

Estou a perder, sei que sim


.

Sei que se me perguntarem se já fiz alguma coisa da qual me orgulhe, vou responder que claro que sim! Mas também sei que, com a minha idade, ainda não fiz nem metade (nem 1/4) do que já queria ter feito, do que dizia que queria fazer quando fazíamos aqueles joguinhos na escola em que escolhíamos com que idade queríamos casar e ter filhos (respondia sempre 22...), que carro gostaria de ter ou que país gostaria de visitar.

Toda a minha vida foi pautada por ser a menina bem comportada da família: a que tinha boas notas, a que estudava, a que era sossegadinha e nas reuniões familiares mal abria a boca para falar, a que entrou na faculdade, a que tirou a carta de condução sem chumbar, a que se formou e a que rapidamente encontrou emprego.

Pois é, fiz um percurso do qual me orgulho até bastante, mas deve ter sido muito mais uma vida sonhada pelos meus pais e família, do que por mim. Sabia que se falhasse os estaria a desiludir e de alguma forma me desiludiria a mim própria. Mas existe muito mais para além disto... Sei que já gostaria de ter outras experiências, outras vivências. Gostaria de ter frequentado outras escolas, visitado mais países, conhecido mais pessoas, ajudado mais os outros, vivido um grande amor...

Por hoje é só isto


.



Senti-me em casa


.

O lado humano, de facto, sobrepõe-se a tudo.


Podes ir sem expectativas nenhumas e ser (muito) surprendido pela positiva. Podes trazer contigo uma grande ilusão e deitarem-ta por terra em menos de nada.


Prefiro a surpresa...


Foi um abraço forte, apertado sem apertar... E, com uma coisa banal, fica-se com o coração aconchegado!

Dilemas #3


.

"Qualidade? Sou amigo do meu amigo!"


Só me ocorre: Dah!

Aww, you made a little joke. Good for you!*


.

"Deve estar com fome de conversa."



*Samantha Jones em "Sex and the City"