Archive for Setembro 2010

Também quero falar das medidas de austeridade


.

"As crises não são só do Governo, são do povo e o povo tem que sofrer as crises como o Governo sofre." Almeida Santos

Mas este homem está senil ou apenas parvo? Que crise do Governo? Este tipo nem deve conseguir andar direito de tão recheados que lhe estão os bolsos. Oh meu Deus... Que país de treta!

Questões da Rita #1 - A minha opinião


.

A mim não me choca nada. Lá está, desde que se gostem... Eu não posso cuspir para o ar que ainda me cai em cima, mas não me parece que fosse capaz, precisamente pela relação quase-irmãos que tenho com os meus primos, mas tenho um caso muito próximo na família. A minha tia e o meu tio são primos direitos e já estão juntos vai para cima de 40 anos e os meus avós nunca se opuseram. Pelo que me contam, aconteceu tudo de forma muito pacífica. Por outro lado, conheço uma pessoa que namora com um primo direito há já algum tempo e os pais (que se nota perfeitamente que sabem, mas adoptaram uma postura "se não se falar, isto não existe") reprovam completamente.

Como já disse, não condeno nada, cada um gosta de quem gosta. O que me choca é a diferença de mentalidades entre gerações completamente díspares, com meio século de distância (os meus avós e os pais desta rapariga). E não a deixarem viver a sua relação em pleno. Isso é que me choca verdadeiramente.

Quanto à questão de filhos de primos direitos nascerem deficientes ou com problemas, os meus primos são normalíssimos, não têm quaisquer problemas de saúde e, até ver, têm as suas capacidades intelectuais intactas. Até onde eu sei, poderá existir sim, um maior risco de "incompatibilidade" dos sangues (daí já ter aconselhado estas pessoas a consultarem o médico e a fazerem análises) mas, para não correr o risco de estar aqui a dizer um enormíssimo disparate e não estar a utilizar as expressões mais correctas, dei-me ao trabalho de googlar e aqui está um artigo. Para quem não estiver nem aí para o assunto, este parágrafo pode ser considerado um género de resumo: "Embora seja mais provável que os primos direitos tenham filhos com defeitos físicos, atrasos mentais ou doenças genéticas, esse risco não se afasta muito do que acontece aos pais sem qualquer grau de parentesco." Encontrei ainda mais este que, apesar de referir probabilidades iguais ao anterior, é escrito num tom mais "dramático".


(Aproveito para dizer que gostei muito das vossas opiniões!)

Questões da Rita #1


.

Consideram reprovável/contranatura um relacionamento amoroso entre primos direitos?

Selinhos #5


.

O primeiro de hoje foi oferecido pela Irina. Obrigada!



As regras são:
1. Dizer quem ofereceu o selo.
Once again, Irina do Pétalas de Palavras.

2. Responder a duas perguntas:
2.1. Refere um momento que gostasses de reviver.
São muitos, sou muito saudosista e não sou nada daquelas pessoas que diz que nunca se arrependeu de nada. Eu já. De muitas coisas! Reviveria o meu secundário inteirinho!

2.2. Porquê?
Porque gostaria de mudar muita coisa que fiz, ficar novamente feliz com muitos momentos que passei e porque sei que, reviver aqueles anos, mudaria drasticamente a minha vida actual.

3. Reenviar para 5 blogues.
Apropriem-se! :)


O segundo foi oferecido por esta menina e esta menina. Obrigada!



Regras:

1. Postar o selo. Done.

2. Passar o selo aos meninos que comentaram no último post.

- Filipe (não te quero excluir! =P)

- Sôzinha (aí vai mais um)

- Sea

Os U2


.


Tinha este post nos rascunhos para ser publicado no final da semana "Parece-me que ter decidido ir passar o próximo fim-de-semana a Coimbra não foi muito boa ideia... Parece-me."

Isto porquê? Vou passar o fim-de-semana a Coimbra, como costumo ir tantas vezes, e era como que uma reclamação pela confusão que vai estar na minha segunda cidade mais linda e amada por causa do concerto dos U2.

Ora pois, agora surgiu a oportunidade de comprar bilhetes para o concerto. Não sou fã dos U2, nem gosto incondicionalmente de todas as músicas (bem pelo contrário) mas eles devem dar um concerto brutalíssimo! E há semanas que andava a dizer que adoraria ir só para ver o grande espectáculo que, de certeza, eles vão dar. Agora tenho a oportunidade nas mãos e estou indecisa, isto porque os bilhetes são para domingo e desembolsar €75 agora, não estava nos meus planos.

Luzinha precisa-se!

O meu bichinho


.

O bichinho lá de casa (é um canídeo) anda connosco para todo o lado. Quando digo "todo o lado" é mesmo todo o lado. Se formos ao supermercado ele vai, se formos ao café ele vai, se formos de férias ele vai. Portanto, o meu cãozinho, desde pequeno (vai fazer 10 aninhos), está muito habituado a andar de carro. Bem... estava!

Ainda não falei nisto aqui, mas aqui há meio ano tivemos um acidente de carro no IP3, andámos aos peões, a bater contra os montes e tudo o que apareceu. O que sentimos deve ter sido, mais ou menos, o que sente uma peça de roupa numa máquina de lavar, quando está na parte da centrifugação. Para mim, que estava envolvida naquilo tudo, foi um autêntico cenário de guerra. Ora bem, como é hábito, o meu menino ia connosco, mas desde essa altura que ele nunca mais teve gosto em andar de carro. Ao início, quando o carro fazia muita trepidação ele ficava muito assustado, gania, punha-se a arranhar nas portas. Actualmente, está muito melhor, apesar de não sossegar como antes que dormia profundamente uma viagem inteira, quer fossemos ali à esquina quer fossemos a Espanha.

Esta semana que passou ele foi levar a vacina e aproveitou-se para se perguntar como havíamos de resolver o "stress pós-guerra" do cão. O médico veterinário entregou um questionário para o meu pai responder e, depois desse questionário ser analisado, poderíamos começar as consultas de psicologia... Do cão!

Eu achei muita graça a isto. Nunca tinha ouvido falar de semelhante coisa. Alguém tem conhecimento disto? Sabem como se processam as tais consultas?

Das insatisfações da vida


.

Este foi um fim-de-semana de saída nocturna ainda a propósito do meu aniversário (sim, um bocadinho tarde, mas valores mais altos se levantaram). Muitas novidades da parte das amigas. Novidades de abrir a boca e até de mandar gritinhos bem ao estilo da plateia do programa da Oprah. Limitei-me a contar a mesmice que me persegue há já algum tempo.

Uma forteleceu a relação que tem há já dois anos, apesar de a família ser contra. A outra iniciou uma relação mas não estava particularmente entusiasmada, ao contrário do que seria de esperar e ao contrário de como eu estaria se estivesse na sua situação.

Reclamava eu que não tinha emoção na minha vida, não tinha novidades e muito menos algo de entusiasmante para contar, que elas é que estavam super bem. Diziam-me para não dizer aquilo, que não era bem assim, que a vida profissional delas estava atrasada dois anos, que não sentiam o peso da responsabilidade da vida nem sentiam diferenças entre actualmente e quando tinham 16 anos, ao contrário de mim.

Elas têm razão, mas eu também. A vida, para ser plena (ou perto disso), passa por ter várias peças juntas! Pelo menos a minha não depende apenas de um objectivo. E, neste momento, sinto um grande vazio numa das partes da minha vida que gostaria de ver preenchida (com alguma urgência, de preferência!).

Já viram ou leram o PS I Love You? A parte em que as três amigas estão num lago, perdem os remos e ficam à espera de ser salvas começam a confessar o que de bom lhes está a acontecer naquele momento. Uma diz que vai casar e a outra está grávida. A Holly, apesar de muito feliz pelas amigas, teve uma recaída emocional.

É como me sinto. Sinto-me triste, apesar de feliz por elas.

Oh Coentrão...


.

... és feiinho que dói mas jogas que te fartas, moço!

Q-U-E N-O-J-O!


.

Hoje, logo pela manhãzinha, preparava-me eu para o banho matinal, entro no quarto para ir buscar já nem me lembro o quê, ainda sem óculos, ensonada, não via niente. Olho para a parede do quarto... Alto e pára o baile! Aquilo é uma osga. Torno a olhar para ter a certeza... "OH Mãaaaaaeeeee está uma osga no meu quarto!", "Pai levanta-te! Tenho uma osga no quarto!"

Desato num pranto feita Madalena arrependida, a coçar-me toda e sigo imediatamente para o WC para não ver o tratamento que eles iam dar ao bicho.

Expliquem-me lá. Eu tinha o quarto limpinho! "Ai podia estar cheio de porcaria e agora que andas a arredar as coisas a bicharada saíu toda" Mentira! Fiz daquelas limpezas profundas há umas duas semanas. Daquelas de arredar tudo, encerar o chão e o diabo a sete! Por outro lado, um vizinho aqui há umas semanas avisou o meu pai que tinha visto uma osga no prédio e lhe tinha entrado outra em casa, mas, no mesmo dia, o meu pai foi comprar umas coisas esponjosas que se põe debaixo das portas.

A sério, porquê no meu quarto? Porquê a mim? Nem com bichos da traça vou à bola, quanto mais com osgas... Conclusão: ando aqui cheia de comichões.

(Procurei imagens para ilustrar o post, mas assim que vi a primeira até se me vieram as lágrimas aos olhos. Aposto que conhecem a espécie, mesmo que nenhuma vos tenha entrado alguma vez em casa.)

Apanhados


.

Não sei se costumam ver o programa dos apanhados que começou na SIC. Eu vejo. Para além de me fartar de rir, calha ali naquela hora em que já estou deitada à espera que o sono chegue com tanta força que me faça fechar os olhos sem esforço.

Adiante... Anteontem a apanhada foi a Rita Andrade (apresentadora). Muito resumidamente, ela foi com uma amiga também apresentadora (sinceramente, está-me a falhar o nome) a uma loja de lingerie e, muito entusiasmadas, escolhiam algumas peças. O apanhado consistia, basicamente, em a empregada chamar gorda à rapariga (que tinha sido mãe recentemente), tentar impingir-lhe roupa de tamanho L, cuecas da avózinha, insinuar que o marido não ia gostar de a ver assim vestida e blá blá bá. Ou seja, deitar ainda mais para baixo uma pessoa que tinha sido mãe recentemente que, por acaso, até é uma altura em que, por norma, as mulheres têm a auto-estima mais em baixo (penso eu de que).

A Rita, apesar de estar com uma figura óptima (não aprecio particularmente o trabalho dela, mas que ela é super gira é e até quando esteve grávida estava super elegante), deve-se ter sentido na m*rda. Tanto que a rapariga acabou por chorar (e aqui a estúpida chorou também, mas isso são outros quinhentos). Depois, a tal amiga era cúmplice, sabia de tudo e compactuou com uma coisa destas. Eu só pensava "Epá, que rica amiga, sim senhora!". É que não teve a menor graça!

Em suma, achei o apanhado de um mau gosto incrível, a roçar a falta de respeito mesmo!

Preciso de espaço!


.


Mas alguém me explica de quem foi a triste ideia de pintar o meu quarto? Mesmo a sério.

Da última vez que me pintaram o quarto era pequena, nem tenho recordações. Apesar de a pintura não estar mesmo nada mal, já estava a precisar de uma mudança e, agora, sou eu que ando a tirar a tralha toda que fui acumulando num quarto tão pequeno (onde é que eu consigo enfiar tanta coisa?) para não ficar tudo pintalgado de tinta azul (ai, há anos que eu queria um quarto azul!) e dá trabalho como o CARA...mba!

E eu nunca mudei de casa. Mudar de casa deve ser 200 vezes pior do que isto. É que ainda por cima, esta ideia só me veio recordar ainda mais que o meu quarto é demasiado pequeno e a minha cama demasiado monstra.

Chibatem-me, sim?


.


Esta música faz-me chorar. E, no meu código emocional, se faz chorar, é porque gosto. Oh Deus. O que conta é que oiço isto sem olhar para os moçoilos que me enervam solenemente.

Esta música ainda vem do pico de um desgosto amoroso qualquer que aconteceu aqui há uns anos nos meus tempos de adolescente imberbe. Quero acreditar que gosto disto porque esteve presente numa fase marcante da minha vida.

Coisinhas que me fazem muita impressão


.

A exposição das crianças nos babyblogs!

Eu já fui rapariga de seguir para cima de 20 babyblogs, quando andava com o tão famigerado relógio biológico para lá de louco. Mas uma coisa que me fez sempre demasiada impressão são as fotos completamente "ao descoberto" dos miúdos. Aliás, muitas das mães tiveram problemas com pessoas doidas que se faziam passar pelas próprias, adoptando os seus filhos e a sua família como seus. Deve lá existir pior sensação que o roubo da nossa identidade? Ah, já para não falar que já vi num blog fotografias da área circundante da casa (um parque infantil) e até a localização exacta da ama do filho, com acesso directo ao site "profissional" da tal ama.

Eu compreendo que se queira muito mostrar os filhos ao mundo, que os nossos são sempre os mais lindos, mais traquinas, mais espertos, mais destemidos, mais engraçados, mas ouve-se falar de tanta coisa por esse mundo fora, de tanto tarado, gente mal intencionada. Principalmente nos dias que correm acho que é necessário haver o dobro do cuidado.

Ídolos #3


.

O melhor do Ídolos?


Tem ar de quem cheira bem! E tem charme. E tem pinta. E tem um sorriso bonito.

Eeeerrrr


.

Assim muito rápido que a rede aqui é "chata"... Acabei de ver o meu pai a ficar emocionado ao ver a Mariza a cantar o "Oh gente da minha terra". Vá. Eu também fiquei. Mas eu sou gaja e choro até se vir duas formigas a dar um beijinho...

Indo eu, indo eu...


.


Vou de fim-de-semana para a terrinha (ui, maravilhoso [not]). Vou ter de andar a trocar de Expresso lá onde Judas perdeu as botas, às tantas da noite. A ver vamos se não vou parar a Espanha ou coisa parecida.

Bom fim-de-semana! Fui!

Eu sei que toda a gente já disse ou escreveu isto pelo menos uma vez na vida...


.

Mas é nas fragilidades que vemos quem realmente se preocupa e gosta de nós e eu tenho tido confirmações tão boas e outras tão más.

Em que estás a pensar?


.

Se eu fosse das que diz no Facebook "Rita foi ali à rua", "Rita foi fazer xixi", "Rita acabou de pestanejar" (sim, a falar na terceira pessoa que é mais chique), neste momento escreveria "Rita está a pensar que está com uma puta de uma neura que só a TPM consegue explicar".

God! Nem me estou a aguentar a mim própria.

Post mesmo cheio de conteúdo


.

Eu conheço carradas de gente que tem ou tenciona ter uma filha chamada Leonor. Hoje em dia, quase todas as miúdas com menos de 5 anos se chamam Leonor. Estive a falar com uma senhora que tem um colégio e ela disse-me que as salas dos infantários estão repletas de Leonores.


No meu tempo eram as Anas. Só na minha turma eram umas sete ou oito.

Factos #5


.

Chateiam-me pessoas sem o mínimo de iniciativa. Que seguem o rebanho. É caso para dizer: méééé.

Constatação do dia #3


.

O Benfica anda a stressar-me.


Calem-se e joguem!

Dívidas


.

A semana passada, no autocarro, sentou-se à minha frente uma rapariga tão linda! Daquelas mesmo de abrir a boca. Não sendo escanzelada (era até cheiinha) era lindíssima de cara e tinha um cabelo maravilhoso.

Quando olho para miúdas como aquela, penso que nunca serei presa por dever o que quer que seja à beleza.

Foi há quatro anos


.

De há quatro anos para cá que, nesta altura das colocações nas Universidades, sinto falta do que vivi mas este ano especialmente.

O bom senso dizia-me que eu devia entrar na faculdade. O lado mais imaturo dizia-me que nenhum dos meus amigos tinha passado de ano e eu ia ter que enfrentar aquele bicho-papão sozinha, pois andei sempre na mesma escola, nunca fui "a aluna nova". Por isso, quando soube que tinha sido colocada na primeira opção, não sabia se havia de rir, se havia de chorar. Hoje vejo que foi a melhor decisão.

Os meus melhores amigos de hoje em dia encontrei-os na faculdade. Gostei do stress dos trabalhos, do desespero do estudo, do quase arrancar cabelos (não gostei propriamente na altura, mas hoje em dia sinto falta). No outro dia alguém me dizia que tinha abdicado muito da sua vida social/pessoal em prol da faculdade (dizia isso com um sentimento de pesar). Respondi imediatamente que eu não, porque, actualmente, parece-me uma realidade tão distante... É como a dor de dar à luz. Suponho que custe, mas que depois se esqueça tudo. Deve ser, mais ou menos, o mesmo. Mas, analisando a questão como deve ser, sim, passei demasiados fins-de-semana e feriados enfiada na faculdade. As férias de Natal não eram férias nenhumas, havia que estudar para os exames, acabar projectos, trinta por uma linha. Mas foi tudo feito com gente que já estava tão entranhada no meu coração que o stress das entregas conseguia ser animado. Só tenho pena de ter perdido algumas festas. Se soubesse o que sei hoje tinha ido a todas, todinhas. É a única coisa de que me arrependo.

(Uma vénia a quem leu o testamento.)

Pais&Filhos


.

Costuma-se dizer que quem tem filhos tem cadilhos. Como não tenho filhos, faço uma pequena alteração e digo que quem tem pais, tem cadilhos. Não rima mas é verdade.


Vou andar com o coração nas mãos a manhã toda até que me liguem a dizer "Chegámos bem!"

Ídolos #2


.

Ok. 35 minutos de programa e ainda só apresentaram um rapaz que cantava alguma coisa de jeito. Hummm Pronto, os comentários para os "cromos" têm alguma graça, mas também gosto de ver pessoas a cantarem bem só para me roer um bocadinho de inveja.

Ídolos


.


Adoro música, adorava ter talento e coragem suficientes para participar em programas de música. Portanto devoro todos deste género que aparecem na TV. Desde o Ídolos à Operação Triunfo, Festival da Canção, Eurovisão...

E hoje começa o Ídolos! Ansiosa.

Oh meu Deus!


.


A je queria muito o Rose Confidentiel da Chanel (o 1 da imagem). Muito, muito. Estava com esta menina quando o descobri e só não comprei logo porque o preço daquilo é coisa para me fazer pensar duas vezes. Afinal de contas, um da Chanel dá para 10 da Risqué.

Ora bem, aqui a menina faz anos amanhã (porca miséria! Não queeeero) e decidiu que, talvez, fosse uma boa ideia comprar uma auto-prenda. Assim o fiz. Tratei logo de avisar a amiga que tinha perdido a cabeça e comprado o verniz. "Não compres! Troca! Não dá para trocar?" Mas espera lá, ela está doida. Porque é que haveria de trocar? "É que eu comprei esse verniz para te oferecer!"

Morais da história:
- Esta miúda merece um lugar num altar
- Vou tentar lembrar-me disto muitas vezes quando estiver para descarregar o meu mau humor nela
- Não tinha nenhum e acabei por ficar com DOIS vernizes Chanel (os da imagem)
- Desmanchei a surpresa e eu gosto tanto de surpresas!

Digam-me cá uma coisa...


.

A música traz-vos sensações? Ficam tristes ou felizes quando ouvem determinada música? Se estiverem a fazer alguma actividade física existe alguma que vos dá a sensação de terem mais energia?

Gostaria mesmo de saber a vossa opinião.

Vamos cá ver uma coisa...


.

Eu, neste momento, pagava para que me tirassem este amor que sinto pelo meu Benfica. Juro! É que com o amor ia também a desilusão. Um 2 em 1, portanto!

Cirúrgias


.

Este post da Lebasiana foi o mote perfeito para algo que já havia pensado escrever aqui, quando, há dois dias atrás, estava a ver um pouco do The Hills.

Eu sou completamente a favor da cirurgia estética, desde que feita com conta peso e medida. Sei que para este "conta, peso e medida" têm influência muitos factores. Para além do equilíbrio emocional da pessoa, conta também, na minha opinião, a honestidade do cirurgião. Pois, tal como existem os que se recusam a operar quando o "disparate" já é tanto também existem os que só vêem cifrões.

O caso mais recente e flagrante de exagero é o da Heidi Montag (uma das personagens do The Hills).

Estas são algumas imagens do Antes&Depois da moça.




Esta mulher foi submetida a 10 cirurgias plásticas num dia só... Nem consigo imaginar as dores que ela teve. Tirando isso, honestamente, ela ficou pior. Parece uma boneca insuflável. E se ela era gira...!

Se eu faria aluma alteração no meu corpo? A única coisa que eu acho que alterava em mim seriam as orelhas (acho que são muito ligeiramente saídas) mas consigo conviver bem com isso e não é coisa para me alterar a auto-estima, por isso não tenciono pô-la em prática.

Curada


.

Nunca mais dei noícias sobre este assunto mas, desde há um mês, quando disse aqui que andava hipnotizada com o Farmville, que não entro lá, resistindo heroicamente ao envio de gifts e coisas tais que me chegam ao mail.

Claro que, antes de deixar a minha horta ao abandono, apanhei tudo e deixei a dita muito apresentável, qual ladrão antes de abandonar o local do crime!

Mães...


.

A minha mãe, em certas coisas, ainda consegue ser um bocadinho antiquada.Passando a citar um dos grandes medos dela: "Ai meu Deus, um dia casas-te e depois? Quem te cuida da casa? Como é que vais viver?". Apesar de ela saber que eu sei fazer as coisas e de lhe tentar explicar que, quando eu me casar, o respectivo também vai ter que mexer o rabiosque (e não é ajudar, é fazer!) ela teme pelo meu futuro. Por isso mesmo, faz tentativas de consciencialização para a lida doméstica. Então, uma das minhas tarefas fixas é passar a minha roupa a ferro (ela não toca na minha roupa, mesmo!). Isto já a pensar no futuro, diz ela!


Então, com esta porra da consciencilização estou para lá com uma pilha de roupa para passar que nem vos digo nem vos conto. Mas uma coisa gigante mesmo, a saltar do cesto para fora. Razões disto?

- Só passo quando preciso, do tipo chegar a passar todos os dias o que vou vestir no dia seguinte. O que me dá direito a mais um sermão de consciencializaçao ecológica e saúde financeira da carteira do pessoal.

- Chegar a casa sempre depois das 8 da noite e vontade de passar a ferro que é bom, não há!

- Passar pouco tempo em casa durante o fim-de-semana.

- A principal: estou com roupa a mais!


Ah! Tenho que ressalvar que a minha querida mãe, que me tenta chamar para o mundo dos adultos (como se eu já não fizesse parte dele), quando fico sozinha em casa por uns dias, faz questão de me deixar comida feita para TODOS os dias, não vá eu ser encontrada completamente desnutrida!

Também quero falar do Prós e Contras


.

O Carlos Cruz não está com um aspecto esquisito? Aquela pele... E a cara parece inchada!

Isto do relógio biológico


.

A minha prima mais chegada é oito anos mais nova e, apesar da diferença de idades, quando eu era mais nova, de vez em quando, lá ia uma galheta na miúda. Epá, ela cansava-me, maçava-me muito o juízo e eu não tinha muita paciência. Porém, hoje em dia, tenho doses industriais de paciência para os miúdos e deixo-os fazer tudo. E adoro putos traquinas. Não gosto cá de miúdos muito santinhos. Não é muito natural, sei lá. Mas bem, quando digo traquinas não falo em má-educação que há comportamentos e comportamentos e também existem limites. Detesto miúdos mal-criados.

Aqui há dois anos andava com o relógio biológico (se isto existir) completamente descontrolado. Estava pronta para ter filhos, só lia babyblogs, andava pelas lojas de roupa de bebé... À conta desta conversa fiquei a saber imensa coisa e vi alguns vídeos de partos (devo dizer que foi das ideias mais infelizes). Uma pancada que me bateu forte e que, por motivos óbvios, não foi possível concretizar.

Ao contrário dos meus pais, gostava de ser mãe ainda nova. Sempre quis!

I knew it!


.

Lembram-se disto? O meu souvenir já anda por terras lusas. Ainda não está nas minhas mãos, mas já sei o que é! E... txaraaaannnnn... Um postal!!!


Coitadinho do meu 'migo mais fofinho. A intenção foi boa e nem tive coragem de reclamar. No fundo, era uma grande mal agradecida se o fizesse.

Aviso à minha pele


.

Oh minha grande parvalhona, importas-te de parar de cair que já estou a parecer uma vaca malhada?

Humm


.

É só do meu computador ou o site da Zara está com mais bugs que o Windows Vista?

Isto hoje é a loucura dos posts


.

Eu sei que isto pode parecer parvo, ingénuo até. Mas sinto uma raiva muito genuína (de ir à lágrimas, mesmo) do Carlos Cruz. Acreditava, sinceramente, na inocência dele (e será que não está mesmo?). Mas como "todos são inocentes até prova em contrário" foi o que sempre me ensinaram... Resta saber é que provas em contrário são essas.

Não conheço leis, não percebo nada do caso. Quando isto começou fiquei muito chocada com o facto de ele estar implicado mas tinha 13 ou 14 anos. Não tenho noção dos contornos disto e acho que nem quero saber grandes pormenores. Mas ele foi condenado, caraças!

Ainda ontem, quando estávamos a ver uma entrevista dele, o meu pai lá começou com as revoltas dele contra este "tipo de homens" enquanto a minha mãe questionava se ele seria mesmo culpado, que parecia tão sincero e falava tão abertamente. Eu concordei mas, neste momento, já não sei nada...
Como se pode denotar o post tá mais confuso que as coisas confusas. Sorry.

Das frases feitas


.

Infelizmente, já tive duas grandes perdas na minha família. Era relativamente nova (13 e 15 anos). O pior que me puderam dizer naqueles momentos? "Os meus sentimentos" ou "Os meus pêsames" ou equivalentes completamente desprovidos de calor humano.

O que mais me marcou, principalmente, na segunda? Uma pessoa que, no funeral, me abraçou. Simplesmente me abraçou. E outra que, no dia seguinte, quando cheguei à escola, me abraçou. Simplesmente me abraçou. Não precisei de ouvir palavras, nem que sentiam muito pela minha situação. É difícil saber o que dizer num momento de perda e, à partida, sabemos que as pessoas que gostam de nós sentem muito, mas não é o tipo de coisa que se queira ouvir num momento de profunda tristeza. Pelo menos eu não quero. Não preciso de palavras ou frases feitas, não de pessoas que me são importantes.

Mundo laboral #2


.

A coerência é uma coisa difícil de praticar, mas há quem não faça o mínimo esforço. E a memória... A memória também se vai rapidamente. Há quem tenha memória selectiva!

Deus me dê paciência, que se me der forças eu vou-lhe ao trombil! (adaptado)

Mundo laboral #1


.

No trabalho temos por hábito oferecer uma prendinha a cada pessoa que faça anos. Eu, sinceramente, nunca me ofereci para ir comprar porque já sei que há sempre 3 ou 4 que se esquecem e também não tenho feitio para andar atrás das pessoas a dizer "Olha, estás-me a dever dinheiro!"...
Pois, nunca tinha ido comprar até lançarem a escada e como também não tenho pachorra para andar a ouvir coisas do tipo "Ah são sempre os mesmos a comprar" lá me ofereci até porque a tarefa era simples, um cheque-prenda. Não tem muito que enganar. Já sabia é que ia penar para ter todo o dinheiro de volta. Então, ultimamente, quais são as pequeninas vitórias diárias? Os que sobram dirigirem-se a mim "Estou-te a dever dinheiro, não estou?!" Os meus olhinhos até reluzem! Mas ainda faltam cinco!

Benvindo, Setembro!


.

Existem algumas coisas que vocês não sabem sobre mim, e uma delas é que aqui a Ritinha faz anos este mês (mais precisamente dia 12). Então, como pedinchona assumida, existem umas quantas coisas que gostaria de ter. São livres de desembolsar qualquer um dos ítens seguintes:
- Brincos em forma de coração de filigrana
- Um relógio maravilhoso da swatch em branco (não encontrei fotografia)
- "Fazes-me falta" da Inês Pedrosa (isto porque não estou disposta a gastar mais dinheiro em livros porque tenho lá uma pilha para dar vazão)
- Uns All Stars porque estou com vontade de regressar à minha infância
- A colecção Outono/Inverno da Mango ou da Blanco

Acho que é simples e fariam uma alminha feliz. Eu!

Aiii


.

Homem-da-mão-enfeitada: Blablablá isto, blablablá aquilo!
Eu: Ahahah! Ahahah!
Homem-da-mão-enfeitada: Blablablá faz assim, blablablá acontece assado!
Eu: Ahahah! Ahahah!
Homem-da-mão-enfeitada: Blablablá a minha mulher...
Eu: ...

...Já estivemos a falar melhor, já sim senhora...

Nate Berkus, the "cutie pie"


.

Anteontem, na SIC Mulher, o programa da Oprah foi dedicado ao Nate Berkus, o decorador do programa. Não vi do início mas, pelo que entendi, estava a despedir-se porque vai ter o seu próprio programa. Opá, o homem é tão lindinho, tão fofinho. E passei a gostar ainda mais dele quando lá foi contar como tinha perdido o namorado no tsunami de 2004.

Homens a chorar derretem-me completamente, como já havia dito há uns tempos, e o facto de ele se expor daquela forma fez-me gostar ainda mais dele. E é lindo de morrer. Eu acho!